Como investir para meus filhos?

Faala Pobre Mortal, tudo tranquilo por ai? Hoje vou te ensinar como você pode montar uma carteira de investimentos para garantir um excelente futuro financeiro para seu filho.

Para todos nós, que somos pais, o futuro de nossos filhos é algo que nos atentamos muito e damos extrema importância. Sempre fazemos de tudo para provermos as melhores condições possíveis para os nossos pequenos.

E uma dúvida que eu tenho certeza que já apareceu em todos os pais é: como garantir boas condições para meu filho futuramente?

Seja ter aquele dinheiro para pagar a faculdade, dar aquele presente incrível aos 15, 18 anos, ou até mesmo para que cheguem a vida adulta já independentes financeiramente e, não tenham que lutar tanto e passar por tudo que passamos para construir seu patrimônio e estabilidade financeira.

Imagina poder GARANTIR uma vida sem imprevistos relacionados ao dinheiro para nossos herdeiros. Sim, isso é totalmente possível.

Mas como faço para garantir essa estabilidade para meu filho?

Com absoluta certeza, eu afirmo que, investir de forma constante e disciplinada é a maneira mais simples e eficaz de acumular patrimônio para o longo prazo.

E eu tenho uma ótima notícia: nossos aportes não precisam ser elevadíssimos para conseguirmos proporcionar essa estabilidade.

Quando falamos de investimentos são três fatores que influenciam no resultado final do seu patrimônio. São eles:

Aportes

Sua capacidade de aportar todo mês, com constância e disciplina, é um dos fatores que influenciam no acumulo de patrimônio por meio dos investimentos. Ele é o fator que faz mais diferença no início da construção patrimonial, mas seu efeito é menor ao passar do tempo, quando seu aporte começa a representar uma parte muito pequena de seu patrimônio total. Quanto mais tempo passa, mais se acumula, menor o efeito desse fator.

Rentabilidade

Este é outro fator superimportante para o acumulo de recursos. A rentabilidade é o retorno que você consegue com aquela aplicação/investimento. Uma pequena variação na rentabilidade pode ser quase irrelevante, dar pouca diferença no curto prazo, mas de acordo com que o tempo passa cada 0,01% se torna extremamente valioso. Quanto mais tempo passa, maior o efeito desse fator.

Tempo

Na minha opinião, esse é o fator mais importante dos três. Você percebeu que o tempo influencia também nos outros dois fatores? Quanto mais tempo se passa, mais os juros compostos vão trabalhando a nosso favor e fazendo com que nosso dinheiro também trabalhe cada vez mais para nós mesmos.

E por estarmos montando a carteira de nossos filhos esse fator está do nosso lado, o que torna tudo mais simples.

Quer conferir mais a ação desses três fatores em situações diferentes? Vou disponibilizar para vocês a minha planilha “O Poder dos Juros Compostos”, lá você pode simular seu investimento com a possibilidade de modificar esses três fatores: o tamanho de seus aportes, a rentabilidade esperada e o tempo de contribuição (além de capital inicial investido e crescimento anual dos aportes).

Em que investir?

Da mesma forma que ao montar a sua carteira de investimentos você irá alocar seu capital de acordo com seu perfil de risco e com seus objetivos, formar a carteira do seu filho funcionará da mesma maneira. Cada caso é um caso, mas tem sim um modo que eu acho interessante seguir.

Se você tiver filhos, na sua própria reserva de emergência já deve estar também incluído possíveis imprevistos que possam acontecer com seus filhos. Mas recomendo também alocar uma parte da carteira destinada à eles, de pelo menos 10%, em algum tipo de renda fixa de alta segurança e liquidez, como em CDB’s de liquidez diária, Fundos DI e no Tesouro Selic. Imprevistos acontecem e prevenir é muito melhor e mais fácil do que remediar.

Uma outra parte da carteira de seu filho pode ser destinada a alguma aplicação mais conservadora e segura. Esse tipo de aplicação não vai gerar uma rentabilidade muito grande, mas proporcionará uma maior segurança e uma menor volatilidade na carteira, se você for desses que é avesso ao risco e não é muito adepto a ver o patrimônio oscilando.

Recomendo bons ativos de renda fixa de médio e longo prazo, que preferencialmente, boa parte estejam atrelados à algum índice que proteja o capital investido, como a Selic, IPCA ou o CDI. Alguns exemplos para essa parte da carteira são: títulos do Tesouro Direto, LCI’s, LCA’s, CDB’s, Fundos de previdência Privada… Aqui recomendo algo em torno de 20-40% do capital.

Detalhe: Fundos de Previdência Privada podem ser uma ótima escolha para montagem da carteira de nossos sucessores devido aos benefícios fiscais de longo prazo. Desde que nos atentemos às taxas cobradas pelas gestoras desse fundo, muitas vezes essas taxas são absurdas e corroem essa vantagem.

Outra parte pode ser destinada à classe de ativos, que eu considero mais importante para esse tipo de carteira e que, particularmente, é o meu tipo favorito: as ações.

Mas, por que eu considero essa a classe mais importante para essa carteira?

Porque as ações são os ativos que têm o maior histórico de rentabilidade no longo prazo e é o que realmente vai fazer a maior diferença para que seu filho consiga atingir a independência financeira.

Lá vai uma curiosidade:

O mercado de ações geralmente é positivo 52% dos dias, 60% dos meses, 70% dos anos. E 95% das décadas. Então quem investe no longo prazo aumenta absurdamente as suas chances de ter altos retornos.

Já que a carteira de nossos filhos é destinada para o longo prazo, aqui, eu alocaria cerca de 30-60% do capital. Lembrando que além das ações, aqui também incluo os FII’s (Fundos de investimento imobiliário) e os ETF’s (Exchange Traded Funds, Fundos que replicam algum índice).

A última parte da carteira, mas não menos importante, é onde deixamos uma fatia de nosso capital em um ativo não relacionado a economia brasileira, para o caso de haver uma crise muito longa ou algo do tipo. Aqui podemos investir em ações estrangeiras, ouro, moedas estrangeiras, entre outros ativos. Recomendo algo em torno de 10-20% do capital.

Lembrando que todas essas porcentagens que eu comentei aqui são totalmente maleáveis e você deve investir de acordo com o SEU objetivo e perfil de risco. O importante é que você DIVERSIFIQUE a carteira de seu filho.

Como investir

Ao contrário do que muitos pensam, investir é simples e não demanda muito tempo. Vou te explicar o passo a passo para que você já possa começar hoje a investir para seu pequeno. Lembre-se que o tempo é o fator mais importante da construção patrimonial, então quanto antes começar, melhor.

Criando conta na corretora

Primeiramente devemos escolher alguma corretora para utilizarmos. Escolher uma corretora é um processo bem simples, mas que necessita de atenção em alguns detalhes. Para escolher uma corretora que tenha o melhor custo-benefício para seus objetivos, observe os seguintes pontos:

– Confiabilidade da instituição

Qual o histórico daquela empresa? É uma empresa saudável? Tem muitas reclamações na internet? O que os seus clientes dizem? Essas perguntas, na verdade, deveriam ser feitas antes de entrar em qualquer negócio, independente de qual a área de atuação. E com as corretoras não é diferente, apesar de que seu dinheiro não fica realmente investido lá.

– Custos

Cada vez mais os usuários estão se atentando aos custos e, junto com o poder da concorrência, jogando os preços das corretoras lá no chão. Hoje em dia já existem corretoras com taxas totalmente zeradas, como por exemplo o banco inter e a clear. Mas, se você está começando com pouca grana, é algo a se observar. Uma corretagem de 20 reais, por exemplo, representa 1% de um aporte de 2 mil. O que eu acho um valor muito alto a se pagar. A corretora cobra um percentual da compra? Piorou. Mas claro que o mais importante é você ponderar o que você paga e o que você leva.

– Atendimento

Este é um ponto que muitas pessoas não dão atenção, mas que eu acho essencial, principalmente para quem está começando. É normal cometer erros e ter muitas dúvidas ao entrar no mundo dos investimentos. E é por isso que, uma corretora que preste um mal atendimento, pode te afastar pra sempre do mercado financeiro.

– Variedade dos produtos e serviços oferecidos

Principalmente quando falamos de fundos de investimento e renda fixa, é importante observar quais as instituições com as quais aquela corretora trabalha, e qual a esteira de produtos que ela oferece. Devemos pesquisar também se ela oferece serviços como relatórios, aplicativo para mobile, cursos, calculadoras de rendimento, etc.

Após escolher sua corretora é só entrar no site da mesma e criar a conta. É muito simples, dá pra criar pelo celular ou desktop em poucos minutos e, a maior parte delas não cobra absolutamente nada para que você crie sua conta.

Lembrando que você pode criar a conta no seu nome ou no nome do seu filho, desde que ele(a) já tenha RG.

Investindo

O primeiro passo foi criar a conta da carteira de seu filho. O segundo passo é fazer uma transferência para a conta criada na corretora.

O terceiro é escolher em qual ativo você vai investir.

O quarto é esperar que os juros compostos, aliado a sua disciplina e consistência para aportar todos os meses proporcione liberdade para seu filho!

Gostou desse conteúdo? Deixa um comentário ai embaixo, me manda suas dúvidas, vamos trocar ideia e me segue lá nas redes sociais: @1milhaocom30.

Deixe um comentário