De quem é a culpa?

Tentarei resumir um pouco alguns fatores econômicos a respeito da dinâmica de preços do combustível brasileiro, para transmitir algum pequeno embasamento à sua posição quanto aos acontecimentos recentes.

Serei o mais breve possível, apesar de ser um assunto denso.

Você sabe o que é uma commodity?

Em poucas palavras, commodities são produtos de base em estado bruto (matéria-prima), que podem ser estocados, produzidos em larga escala e de características quase uniformes, como café, soja, boi gordo, ouro e PETRÓLEO.

Seus preços são determinados pelas bolsas de mercadorias globais como consequência de oferta e demanda, e não pelas empresas que as produzem.

Como se pode ver no gráfico, o preço do barril de petróleo sofreu uma alta expressiva nos últimos 12 meses, indo de U$ 45 para mais de U$ 70.

Vários outros países estão vivendo um recorde de preços nos combustíveis devido a este mesmo fator, como o Reino Unido e a França.

A Petrobras não está aumentando suas margens frente ao consumidor, mas sim praticando uma política de paridade de preços implementada por seu atual presidente Pedro Parente.

Seria injusto com a população se ela mantivesse os preços nas alturas caso o barril de petróleo voltasse ao preço de 45 dólares, não acha? E porque o contrário seria diferente?

Existe outro ponto em que deveríamos focar nossas atenções. Quase metade do preço dos combustíveis brasileiros advém de impostos, sendo esta a maior parte.

Altíssimas taxas e pouco retorno, consequência de um Estado pessimamente
administrado.

Não temos como controlar a primeira parte do problema congelamento de preços por meio de subsídios, que passam a conta para nosso próprio bolso, definitivamente não é a melhor solução.

Sempre que o governo tenta intervir na dinâmica do livre mercado o resultado é desastroso.

Devemos lutar pela redução da tributação excessiva que existe em nosso país.

A culpa não é da Petrobras. Enquanto não elegermos políticos comprometidos com a administração pública, problemas como este sempre farão parte do cotidiano dos brasileiros.

Deixe um comentário