INDICADORES MACROECONÔMICOS

A importância dos indicadores macroeconômicos é uma das coisas mais básicas que um investidor precisa aprender é sobre como analisar a macroeconomia do país a qual ele está investindo.

Como você pode investir em empresas de um país que você não sabe como analisar a macroeconomia dele?

É muito importante que você entenda alguns indicadores macroeconômicos, para saber os riscos e benefícios de se investir neste país, tais como:

MACROECONOMIA

A importância dos Indicadores Macroeconômicos, já iniciam pelo próprio conhecimento de: O que é Macroeconomia?

Portanto, é por meio dela que descobrimos quais países tem uma melhor ou pior qualidade econômica.

É por meio dela que os estudiosos conseguem observar quando pode ocorrer algum tipo de crise econômica que pode acabar afetando outros países também.

(vide a crise do subprime em 2008 que acabou afetando vários países e o Brasil não saiu ileso dela, mesmo ela ocorrendo nos EUA).

INFLAÇÃO E DEFLAÇÃO

Existe alguns livros sobre inflação que dão motivos diferentes do seu motivo real de ocorrer.

Porém, de forma básica e simples de você conseguir entender, os índices de inflação são uma balança de oferta e demanda.

Um dos conceitos de Inflação pode ser considerado quando ocorre um aumento de demanda e com isso não se há uma quantidade de oferta compatível. Dentro disto temos dois conceito: Inflação e Deflação:

  • Inflação: é quando tem mais pessoas querendo comprar algo, do que tem disponível para vender, fazendo os preços subirem.
  • Deflação: é quando tem mais produtos do que pessoas querendo comprar esses produtos e ai os preços caem.

Não existe somente um tipo de índice inflacionário, podemos citar como exemplo alguns como:

  • Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA)
  • Preços por Atacado (IPA)
  • Preços ao Consumidor da Fipe (IPC-FIPE)
  • Nacional de Preços ao Consumidor (INPC)
  • Nacional de Custo da Construção (INCC)
  • Geral de Preços do Mercado (IGP-M)
  • Geral de Preços do Mercado (IGP-DI)

Cada um desses índices servem para setores diferentes e balizam a precificação de produtos e serviços diferentes, sendo o IPCA o índice de inflação Oficial do Brasil.

TAXA DE JUROS

A taxa de juros no Brasil é definida pelo COPOM (Comitê de Política Monetária) onde este órgão define qual será o rendimento mínimo dos investimentos do país.

Ela acaba balizando também as instituições se elas acabaram aumentando o juros de crédito, financiamento, cheque especial, entre outro.

Para você entender a taxa de juros, você precisa entender que existe dois tipos de taxas:

  • Taxa Selic Meta
  • Taxa Selic Over

A Taxa Selic tentará sempre balizar a inflação do país, assim sendo, se a inflação do país subir muito, para evitar que as instituições liberem credito fácil à população e com isso acabar aumentando o número de inadimplentes no país.

O COPOM, começará a aumentar a taxa Selic para poder proteger tanto as instituições, quanto à população de um efeito dominó.

Igualmente se o país quer incentivar que as pessoas consumam mais, que as empresas aumentem sua produção e tenham um juros de dívida menor, ela abaixará a taxa Selic para tentar aquecer à economia.

A Taxa de Juros de tempos em tempos vai ter momentos de alta e depois momentos de uma queda, pois ela tenta equilibrar essa balança entre consumo e produção.

CÂMBIO

A taxa de Câmbio nada mais é que o preço das moedas estrangeiras negociadas dentro do país. No Brasil para determinar o Câmbio de cada moeda, usasse o câmbio flutuante (oferta e procura).

A taxa subirá quando haver uma maior procura pela moeda estrangeira em relação à moeda local e cairá quando houver uma maior procura pela moeda local em relação à moeda estrangeira.

Muitas vezes o BACEN (Banco Central do Brasil) realiza compras e vendas das moedas estrangeiras para tentar frear uma alta muito forte dos preços e isto afetar à economia interna.

Empresas que acabam tendo negócios em outros países, acabam sendo afetados positivamente e negativamente com a flutuação dos preços
câmbiais.

RISCO PAÍS

Este indicador macroeconômico é usado para saber qual é o risco/retorno de alguém investir em um determinado país.

Também é conhecido pela sigla EMBI (Emerging Market Bond Index), ele acaba buscando saber qual é a diferença de se investir nos títulos públicos mais longos dos EUA (que até o momento são os títulos mais seguros do mundo, pelo tamanho da economia americana) e de investir em países emergentes, como exemplo o Brasil.

Logo, quanto menor for o risco país, maior é a chance do país receber mais investimentos estrangeiros e quanto maior for esse risco país, menos
investimentos estrangeiros haverá.

A dinâmica funciona basicamente da seguinte forma:

  • Risco-país sobe: os investidores internacionais, tendem a vender os títulos mais longos brasileiros, fazendo isso, os preços dos títulos cai e com a queda do preço dos títulos, o rendimento desses mesmos títulos aumentam e isto faz consequentemente que o risco-país aumente.
  • Risco-pais cai: os investidores internacionais ao começarem a ter uma percepção menor do risco no país emergente, eles começam a comprar os títulos mais longos e realizando isto, a taxa de retorno deles começará a cair e os títulos ficarão mais caros, mas com isto, aumenta a quantidade de investidores estrangeiros para dentro do país.

Você gostou do resumo dos indicadores macroeconômicos? comente quais outros indicadores você gostaria de aprender mais?

Deixe uma resposta