KISU11: FoFs que busca imitar um ETF!

KISU11 é um fundo imobiliário que buscará seguir o índice SUNO30 criado pela SUNO e será aberto para todos os investidores, porém tem alguns detalhes importantes:

1° detalhe é que na primeira oferta publica do fundo, ele será destinado somente para investidores institucionais, investidores profissionais e investidores qualificados. Isto irá proporcionar inicialmente um melhor ajuste nas variações do fundo

2° As cotas do fundo será negociada na B3 (bolsa de valores brasileira) e tanto investidores nacionais quanto estrangeiros poderão comprá-lo.

3° O gestor do fundo terá que investir pelo menos 80% de todo o patrimônio do fundo na carteira teórica do índice SUNO30 e os outros 20% ele poderá investir em outros investimentos ligados à imóveis.

4° Como o KISU11 não é em si um fundo imobiliário da SUNO mas sim segue o índice criado pela Suno, se por algum motivo este índice tive alguma mudança de alocação ou de alteração dos calculos, manutenção, divulgação, etc.

O fundo em si não tem responsabilidade pois ele somente estará seguindo o movimento deste índice e buscará somente readequar as devidas alocações e proporções divulgadas pelo índice.

Porém caso o SUNO30 seja descontinuado, ou seja, eles parem de atualizar ele, o gestor deve informar aos cotistas por Assembleia Geral de Cotistas o que houve e quais serão os rumos da politica de investimento do fundo.


Até R$200 milhões de Patrimônio ou Valor de Mercado do Fundo, será cobrado 0,65% a.a. de taxa de administração, entre R$200 milhões à R$1 bilhão, a taxa de administração será de 0,60% acima de R$1 bilhão, a taxa de administração será de 0,50%.

6° O KISU11 pagará 95% dos lucros obtidos por meio de dividendos, o que ja é comum ocorrer por obrigação em todos os fundos imobiliários, e o gestor poderá escolher fazer esta distribuição de forma semestral ou mensal.

7° Serão distribuidas em Primeira Emissão 1.000.000 (um milhão) de cotas com uma cotação de RS100, ou seja, o fundo busca captar algo em torno de R$100.000.000,00 (cem milhões de reais) como Primeira Emissão, que só será autorizada para investidores qualificados e profissionais.

Posteriormente o fundo poderá fazer uma nova emissão de cotas com um mínimo de R$50.000.000.00 (cinquenta milhões de reais), ou seja, vai depender de quanto estará o preço da cotação do fundo no momento da nova emissão para saber a quantidade de cotas emitidas para o público geral.

No momento de subscrição cada investidor poderá obter no minimo 250 cotas do fundo, ou seja, um volume mínimo de R$25 mil.

De todas as coisas ditas, acredito que a mais importante é que o Brasil está começando a dar os primeiros passos para melhorar os investimentos para os investidores comuns como eu e você!

Comenta aqui embaixo, o que você achou!

Deixe um comentário