Presente de natal

“Querido Papai Noel”

Juro que me comportei muito bem este ano.

Não deixei nenhum dinheiro na poupança, nem em nenhum péssimo produto de bancão, lotado de taxas.

Na verdade, já faz tempo que parei de gastar com estes bancos, e só uso minhas contas digitais e de serviços essenciais, onde não gasto com taxa nenhuma!

Demorei a perceber que poderia economizar muito assim, mas agora aprendi a lição!

Além do mais, salvei muitos amigos meus de perderem dinheiro seguindo aquelas recomendações furadas de comprar títulos de capitalização, financiamento ou consórcio achando que estavam fazendo investimentos!

Se depender de mim, prometo que nunca mais deixarei um conhecido meu cair nessa…

Aportei disciplinadamente, todos os meses, 15% de meus ganhos em ações de boas empresas, lucrativas, que estavam com um preço abaixo de seu valor intrínseco.

Meu colchão de liquidez? Não precisei usar, e mantenho num fundo de renda fixa de baixíssimas taxas, na corretora.

Escapei de todas as “dicas quentes” que me apareceram na internet, que prometiam até 2% de rentabilidade ao dia.

Admito que cogitei fazer um tradezinho com Bitcoin ou com aquela empresa de armas, mas consegui me conter, como aprendi com os bons investidores

Por isso, acho que mereço alguns presentes como bom menino que fui.

Espero que meus aportes aumentem durante todo 2019 e, junto com eles, os dividendos que recebo para reinvesti-los e continuar montando minha carteira em busca da independência financeira.

Se não for pedir muito, poderia me presentear com excelentes oportunidades em boas empresas, surgindo por conta de alguma euforia do mercado, que sempre aparece.

E claro, controle emocional suficiente para conseguir comprar quando todos estão vendendo, ao invés de seguir a manada burra.

Obrigado, meu bom velhinho, por todos os presentes que vem me dando, ao longo dos anos, pela minha disciplina. Um dia vou crescer e poder distribuir tantos presentes quanto você, às pessoas com quem me importo.

Ass.: Pobre Mortal, Investidor.” 

Deixe uma resposta