Reserva de emergência: O que é, onde investir e quanto destinar

Faala Pobre Mortal, tudo tranquilo por ai? Hoje vou falar com vocês sobre a reserva de emergência que, para mim, é a parte MAIS IMPORTANTE para qualquer pessoa, quando o assunto é investimentos.

Mas pode ficar tranquilo que, mesmo que você ainda não saiba nada sobre esse assunto eu vou te explicar tudo o que você precisa saber, aqui nesse post, como por exemplo:

  1. O que é uma reserva de emergência?
  2. Quanto destinar para a minha reserva?
  3. Onde investir?
  4. Diferença entre reserva de emergência e deixar dinheiro em caixa
  5. É necessário fazer uma reserva mesmo já tendo apólices de seguros?
  6. Ainda moro com meus pais, preciso fazer meu colchão de liquidez?
  7. Posso usar o dinheiro do meu colchão de liquidez para reformar a minha casa, por exemplo?
  8. Conclusão

O que é uma reserva de emergência?

Reserva de emergência ou colchão de liquidez é, como o nome já diz, uma quantia deixada em alguma aplicação com liquidez diária, reservada exclusivamente para emergências e imprevistos.

Ou seja, esse dinheiro só pode ser usado para algo realmente importante, urgente e que não poderia ser previsto como, por exemplo, algum problema de saúde, perda de emprego, problema nos negócios, morte de um familiar, acidentes no trânsito etc.

E ESSE É O PRIMEIRO PASSO PARA TODOS QUE ESTÃO COMEÇANDO A INVESTIR.

Quanto destinar para a minha reserva?

Normalmente, o recomendado fica entre 3 a 9 vezes o valor de seus gastos mensais. Isso vai depender muito de alguns fatores, como a segurança que você tem em sua capacidade de gerar renda, o número de dependentes, a quantidade de fontes de renda, o estado de saúde de seus familiares etc.

Por exemplo: se você é um funcionário público (cargo onde as chances de você ser demitido são baixas), está saudável, solteiro e não possui dependentes, pode ser que 3-4 meses para sua reserva de emergência sejam o suficiente.

Já se você possui filhos, e sua única fonte de renda é mais arriscada, como um negócio próprio, de forma que se falir você não terá mais nenhuma alternativa, é melhor destinar uma quantia maior para seu colchão de liquidez. Talvez até mesmo 12 meses de reserva.

Não existe regra, e as variáveis são infinitas. Mas uma coisa é fato: não menospreze a necessidade de construir o seu colchão.

Quer calcular quanto de dinheiro você precisa destinar para o seu colchão de liquidez? Acesse essa planilha TOTALMENTE GRATUITA, que eu criei para vocês! Nela vocês podem colocar as suas informações, como por exemplo, valor do seu salário e, ter uma previsão de quanto seria necessário para formar a sua reserva de emergência. CLIQUE NA IMAGEM ABAIXO PARA ACESSÁ-LA.

Onde investir

Tanto para a nossa reserva de emergência, quanto para a nossa reserva de oportunidades, ou mesmo capital de giro de nossa empresa, nós queremos investimentos que nos proporcionem segurança e altíssima liquidez!

Nada de correr muitos riscos com essa grana, e claro que precisamos tê-la disponível assim que necessitarmos. E claro que também não queremos volatilidade.

Nós encontramos isso, principalmente, em três investimentos: Tesouro Selic, CDB’s de liquidez diária e Fundos DI. O primeiro é o mais seguro de todos, então, se optar por um dos outros dois, que seja para conseguir um rendimento maior que 100% da Selic/CDI.

Além desses três investimentos você também pode optar pela poupança, mas eu, particularmente não recomendo, já que todos sabemos que esse é um dos piores produtos financeiros disponíveis no mercado.

Algumas pessoas optam pela poupança por ter a possibilidade de resgatar o seu dinheiro até no domingo. Eu não acho que isso valha as penalidades que ela te aplica, como a menor rentabilidade e o rendimento em aniversários (só rende de 30 em 30 dias, se você sacar em 29 seu dinheiro não terá rendido nada, enquanto todos os outros têm rendimento diário), até porque é muito improvável que ocorra um imprevisto em que você não possa esperar nem um dia para ter o dinheiro em mãos. Até em imprevistos de saúde é possível fazer o pagamento do hospital, por exemplo, em dias após o ocorrido.

Diferença entre reserva de emergência e deixar dinheiro em caixa

São duas coisas parecidas, mas não têm o mesmo objetivo.

A reserva de emergência tem como único e exclusivo objetivo ser realmente uma reserva para alguma emergência ou imprevisto e, daqui você não deve retirar seu dinheiro para nada que não seja emergencial.

Já deixar dinheiro em caixa é uma expressão bastante utilizada por diversos investidores e nada mais é do que deixar um montante de sua carteira em renda fixa, também de alta liquidez, para que ele possa ser usado posteriormente em possíveis oportunidades.

Essas oportunidades podem ser uma queda na bolsa (e, consequentemente, no preço das ações), uma queda no preço do dólar, das ações estrangeiras, um investimento imobiliário a um preço abaixo do mercado, possibilidade de negócios… Enfim, qualquer oportunidade de fazer dinheiro. 

Há quem discorde da utilização de uma reserva deste tipo, mas não é o meu caso. Eu sempre mantenho uma parte maior em renda fixa do que acho que poderia precisar. Pode me chamar de bobo, mas de uma coisa eu tenho certeza: você vai se arrepender de não ter guardado dinheiro se alguma dessas oportunidades chegarem. E elas vão chegar!

É necessário fazer uma reserva mesmo já tendo apólices de seguros?

“Ahh Rufino, Mas eu já tenho seguro desemprego, de vida, de carro, de casa, de sogra etc., preciso mesmo disso?”

Claro que sim, pobre mortal! É muito difícil entendermos quais realmente são as eventuais emergências. Afinal, se pudéssemos prever, não seria uma emergência, né?

Se você já possui outras formas de se proteger como essas citadas, o que pode fazer é reduzir o tamanho de sua reserva. Mas nunca zerá-la!

Já ouviu falar do cisne negro do Taleb? É um excelente conceito do livro A lógica do cisne negro. Basicamente, a história conta que antes dos Europeus chegarem à Austrália, eles nunca tinham visto um único cisne negro. Para eles, portanto, todo e qualquer cisne que existia no mundo era branco! Porém, existem cisnes negros, o que prova que não podemos tentar prever o futuro pois só conhecemos parte de um todo!

Não é por que determinada situação nunca aconteceu com você que ela nunca vai ocorrer. O fato que não podemos ignorar sobre as emergências é que elas SEMPRE ACONTECEM! Pode acreditar! E eu já senti isso na pele…

Ainda moro com meus pais, preciso fazer meu colchão de liquidez?

Isso depende do motivo para o qual você está investindo. Se você ainda é novo, mora com seus pais e está começando a investir somente para aprender, não é totalmente necessário que você faça sua reserva de emergência ainda. Inclusive, este foi o meu caso, quando comecei!

Meus pais me bancavam. Eu recebia uma bolsa de 400 reais por mês num projeto na Universidade e, raramente, conseguia fazer uma grana extra de alguma forma. Mas queria aprender a investir em ações. Pra que montar uma reserva de emergência? Qualquer coisa que acontecesse, era só ligar pro meu pai.

Logo, taquei tudo na bolsa e fui ser feliz! Isso me rendeu muito aprendizado, e quando toquei num montante maior, eu já estava um pouco mais experiente.

O colchão de liquidez também pode ser uma boa ideia caso você já tenha uma grana, mas ainda não está seguro pra fazer investimentos mais arrojados. Deixa seu dindin quieto ali, e foca nos estudos!

Agora, se você já possui renda, e seu objetivo é começar a formar seu patrimônio, alcançar sua independência, sair da casa dos pais ou acelerar algum sonho, é essencial que você monte o seu colchão de liquidez em primeiro lugar.

Uma boa alternativa para quem ainda está começando e acha que vai demorar muito tempo para formar sua reserva de emergência é separar uma parte do aporte de todos os meses para seu colchão de liquidez e outra parte para começar a aprender outros tipos de investimento. Assim, você poderá adquirir experiência em várias classes de ativos, antes mesmo de criar sua reserva.

Posso usar o dinheiro do meu colchão de liquidez para reformar a minha casa, por exemplo?

Tudo pode, mas nem tudo convém! O dinheiro que está no seu colchão de liquidez é destinado para emergências que não podem ser previstas!

O primeiro passo é fazer uma avaliação. 

Aconteceu algum imprevisto na sua casa, alguma rachadura na parede, um incêndio, algo que coloque a sua vida em risco ou que seja essencial para a sobrevivência das pessoas que ali residem? Sim, você pode usar o dinheiro de sua reserva.

A reforma é algo supérfluo? Uma mudança para deixar a casa mais bonita, mais aconchegante, ou até mesmo mais valorizada? Então isso deve entrar no orçamento mensal, não no dinheiro da reserva.

Sempre faça a pergunta: é importante e urgente? Se sim, use. Se não, pode esperar.

Há uma grande confusão entre estes dois termos, por isso não devemos agir por impulso.

Reformar sua casa para que ela se valorize é importante? Sim, mas não deve ser urgente.

Observe que não estou falando para você nunca reformar a sua casa, nunca deixá-la mais bonita. Apenas estou dizendo que você deve incluir estes planos no seu orçamento regular, e não retirar o dinheiro da sua reserva destinada a emergências.

Se for algo previsto ou planejado, devemos fazer outra aplicação, outra reserva. Sempre é bom destinar parte de nossos aportes também para os objetivos de médio prazo, como uma viagem em família, a troca de carro, reforma da casa etc. (vide método dos potes, confira o post onde falei sobre isso CLICANDO AQUI).

Conclusão:

A reserva de emergência É O PRIMEIRO PASSO para qualquer pessoa que está começando a investir. Então se você ainda não investe, Pobre Mortal, comece a montar o seu colchão de liquidez o quanto antes, como vimos no conceito do Cisne Negro, de Nassim Taleb, nunca sabemos quando uma emergência surgirá. Se você já investe e ainda não tem sua reserva montada, trate de montá-la é mais importante do que qualquer outro objetivo.

Lembre-se também, que o dinheiro ali investido é destinado SOMENTE para emergências importantes e urgentes, não o use para qualquer coisa.

Gostou desse conteúdo, Pobre Mortal? Se tiver ficado alguma dúvida deixe seu comentário, que eu vou te responder! Até a próxima!

Deixe um comentário