TECK11: O ETF que vem para dominar o mercado brasileiro.

TECK11

Faala Pobre Mortal. Já escutou falar no TECK11?

Você já pensou em investir nas grandes empresas de tecnologia do mundo? Como Amazon, Netflix?

Agora isso é possível através deste ETF e neste post eu vou te falar tudo que você precisa saber antes de investir.

Opções de investimentos no exterior no Brasil

Quando você pensa em investir nos EUA, sem precisar abrir uma conta no exterior, o que vem na sua mente?

IVVB11 ou BDR’s, certo?

Se você quer saber mais sobre como funcionam as BDRs, clique aqui.

Isso porque essas eram as nossas únicas opções.

Mas isso mudou, foi lançado um novo ETF chamado TECK11.

O que é o TECK11?

É um ETF voltado para empresas de tecnologia nos Estados Unidos.

Dentro de seu portfólio temos ações como Facebook, Tesla, Twitter e outras.

Também conhecido como “It Now Tech”, ele possui ações de dez grandes empresas americanas de tecnologia.

Foi lançado pela gestora do Itaú, estreou na B3 na  quarta-feira (28). 

O fundo tentará replicar o índice da NYSE FAANG+, que é composto por algumas das maiores empresas de tecnologia do mundo.

O TECK11 começou a ser negociado por R$ 50 e terá seus rebalanceamentos feitos trimestralmente. 

Sua taxa de administração é de 0,25% ao ano.

O índice possui hoje 10 empresas em seu portfólio.

Facebook

Apple

Amazon

Netflix

Google

Alibaba

Baidu

Nvidia

Tesla

Twitter

Assim como os outros ETFs existentes na Bolsa de Valores, o TECK11 não distribuirá os dividendos pagos pela empresa para os investidores e também terá uma alíquota de 15% de imposto de renda sobre qualquer lucro na venda do ativo.

Vale a pena investir no TECK11?

A bolsa de valores brasileira vem aos poucos lançando novas opções de investimentos, nos últimos meses tivemos o lançamento do XINA11, EURP11, HASH11 entre outros.

Isso mostra que estamos crescendo cada vez mais, e o investidor terá cada vez mais opções.

Portanto, na minha visão, esse é um ETF que vem para agregar ainda mais valor para o investidor, ainda mais no setor de tecnologia que hoje no Brasil ainda possui poucas opções e nada que se compare ao mercado norte americano.

Deixe uma resposta