Tesouro Direto: O que é, qual mais vantajoso e como investir

Faala Pobre Mortal, tudo tranquilo por ai? Hoje vou falar sobre um dos assuntos que mais me perguntam e, um dos mais famosos no mercado financeiro brasileiro: o sistema do Tesouro Direto.

O Tesouro Direto é uma excelente alternativa de investimento, já que oferece títulos com diferentes rentabilidades, vencimentos e, o melhor, acessibilidade e diversas opções.

Sim, hoje eu vou te explicar tudo o que você precisa saber sobre os Títulos Públicos do mercado brasileiro, como por exemplo:

  1. O que é o Tesouro Direto?
  2. Quais os tipos de títulos disponíveis no Tesouro Direto?
  3. Qual é o mais vantajoso
  4. Corro algum risco de perder dinheiro no Tesouro Direto?
  5. Marcação a mercado
  6. Quanto rende
  7. Qual valor mínimo para investir
  8. Como investir
  9. Conclusão

O que é o Tesouro Direto?

Ao contrário do que muitos pensam, o Tesouro Direto não é um tipo de investimento.

O Tesouro Direto é um PROGRAMA do Tesouro Nacional desenvolvido em parceria com a B3 para a venda de títulos públicos federais para pessoas físicas, facilitando a vida dos investidores, uma vez que é 100% online.

Na verdade, os títulos disponíveis no programa do Tesouro Direto que são realmente as opções de investimento.

Então não se confunda quando estiver falando em uma roda de amigos: o que realmente são os produtos que investimos são os títulos públicos federais, que estão disponíveis no programa do Tesouro Nacional.

Quais os tipos de títulos disponíveis no Tesouro Direto?

No Tesouro Direto temos três tipos de títulos disponíveis: os prefixados, os pós-fixados (Tesouro Selic) e os híbridos (IPCA+).

Prefixados:

Os títulos prefixados disponíveis no programa do Tesouro Direto são as LTN’s.

A sua remuneração é feita através de juros anuais, com pagamentos semestrais ou no vencimento, contratados na hora da compra. Ou seja, a taxa permanece a mesma até a data de vencimento acordada, independentemente dos fatores do mercado, da economia, etc.

Um exemplo de título prefixado disponível no Tesouro Direto hoje, dia 04/10/2019:

Nesse caso, independente do que aconteça com a economia, se a inflação subir para 50% ao ano, ou se tivermos deflação, o seu título irá render exatamente 5,45% ao ano até o dia 01/01/2022.

Por isso os títulos prefixados são considerados a opção mais arriscada dentro do Tesouro Direto, mas em compensação costuma pagar um prêmio maior, desde que não haja nenhum “imprevisto” na economia, que faça com que a inflação suba muito, o que acabaria corroendo sua rentabilidade.

Pós-fixados:

Os títulos pós-fixados disponíveis no programa do Tesouro Direto são as LFT’s, mais conhecidas como Tesouro Selic (indexados à taxa Selic).

A sua remuneração também é feita através de juros anuais, pagos no resgate, rendendo 100% da taxa Selic + um pequeno ágio ou deságio.

Um exemplo de Tesouro Selic disponível hoje, dia 04/10/2019:

Nesse caso, seu título irá render exatamente o valor da taxa Selic do momento em que você realizou sua aplicação até o dia 01/03/2025, mais 0,02% ao ano.

Esse é considerado o título de maior segurança dentro do Tesouro Direto, pois além de ser indexado à taxa Selic, que é a taxa de juros básica de nossa economia, também tem a vantagem de não sofrer com a marcação a mercado, o que favorece a liquidez.

Híbridos:

Os títulos híbridos disponíveis no Tesouro Direto são as NTN-B’s, mais conhecidas como IPCA +.

Também têm sua remuneração através de juros anuais, pagos semestralmente ou no vencimento, sempre rendendo o índice IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), principal indicador de inflação, mais uma taxa pré acordada. É justamente por isso que esse tipo de título é chamado de híbrido, ele tem uma parte pré e outra pós fixada.

Um exemplo de Título IPCA + disponível hoje, dia 04/10/2019:

Nesse caso o seu título irá render o valor do índice IPCA + 3,39% ao ano, até o dia 15/05/2035. Ou seja, se a inflação disparar para 10% ao ano, você irá receber 13,39% ao ano.

Por isso esse título também é considerado extremamente seguro. Na verdade é um pouco menos do que o Tesouro Selic, uma vez que, no Selic você pode retirar o seu investimento a qualquer momento sem perder nenhuma quantia do seu capital. Já no IPCA+, se você retirar antes do vencimento estará sujeito a marcação à mercado, assunto que será tratado um pouco mais abaixo.

Qual é o mais vantajoso

Não tem algum que seja melhor, tudo vai depender dos seus objetivos. 

Se o seu objetivo é formar a sua reserva de emergência, então você deve optar pelo Tesouro Selic devido à liquidez diária, apesar de geralmente ter um rendimento menor do que os outros dois. Lembre-se: reserva de emergência deve ser alocada em produtos de altíssima liquidez e segurança, como por exemplo o Tesouro Selic. Caso queira saber mais sobre o que é, como montar, quanto destinar e onde alocar a sua reserva de emergência CLIQUE AQUI.

Agora, se o seu objetivo é realizar um investimento para um prazo maior, é mais recomendado que você opte pelo prefixado ou pelo IPCA+. A escolha entre eles vai depender de qual o cenário político-econômico nos encontramos, quanto cada um está pagando, qual sua expectativa para o futuro, os prazos de vencimento, dentre vários outros fatores.

Corro algum risco de perder dinheiro no Tesouro Direto?

Sim. Se você vender as suas cotas antes da data de vencimento estará sujeito à marcação a mercado, que é a variação diária do preço da cota.

“Mas como assim Rufino, os títulos do Tesouro Direto não são os investimentos mais seguros do mercado brasileiro?”

Sim, mas desde que você só retire o seu investimento na data de vencimento acordada na hora da compra do título, salvo exceção do Tesouro Selic, que não sofre com a marcação à mercado.

Então pode ficar tranquilo, Pobre Mortal, se você respeitar a data de vencimento do seu título, irá receber exatamente o que foi contratado na hora da compra.

Marcação a mercado

“Mas pera aí, e se eu quiser/precisar do meu dinheiro antes da data de vencimento acordada, perco todo o meu investimento?”

NÃO, se você quiser retirar o seu investimento antes da data de vencimento é só você vender o seu título, só que assim você estará sujeito a marcação à mercado.

Então o que é essa tal de marcação a mercado?

O preço das cotas dos títulos públicos varia todos os dias em detrimento de vários motivos, como a expectativa de juros futuros, conjuntura econômica, etc. 

Digamos que os títulos do Tesouro, principalmente o prefixado e o IPCA +, têm um comportamento semelhante à renda variável antes da data do seu vencimento. Claro que com uma volatilidade muito menor do que a maioria das ações.

Mas como explicar isso?

Marcação a mercado é um assunto muito complexo, mas para explicá-la de forma mais simples vamos a um exemplo imaginário:

Todo título de dívida pública que o governo federal emite já é emitido com os valores inicial e final de sua cota definidos.

Então vamos imaginar que o governo emita um título IPCA + 0,0% a.a (para facilitar as contas), no dia 12/12/2019 que irá ter sua cota no valor de 1 mil reais, com vencimento dia 12/12/2020, valendo ao final desse prazo R$1.100,00, uma vez que nessa economia imaginária o índice IPCA está no patamar de 10% a.a. (1.000×0,1=1.100)

Agora vamos supor que eu compre esse título na data de emissão e que, no mesmo dia, a inflação (IPCA) caia para 5% ao ano.

O que aconteceu?

Eu tinha um título que valia R$ 1.000,00 e, ao final de 1 ano valeria R$ 1.100,00. Só que isso só aconteceria se o seu rendimento fosse de 10% ao ano. Como o rendimento do meu título está indexado à inflação, ele caiu para 5% ao ano, ou seja, pela metade.

O que tem que acontecer com o preço do meu título para que ao final de 1 ano ele valha os mesmos mil e cem reais?

Com esse calculo concluímos que nosso título teria que valer atualmente, cerca de R$1.047,62

Caso eu vendesse meu título, nesse mesmo dia, nessa situação imaginária, eu teria R$47,62 de lucro em apenas 1 dia.

Mas o que aconteceria se a inflação subisse para 20% no mesmo dia?

Nesse caso, o meu título valeria algo em torno de R$916,67. Ou seja, se eu vendesse o meu título nesse mesmo dia, teria um prejuízo de R$83,33.

Ufa! Agora ta bem explicado né?

Quanto rende

O rendimento dos títulos do Tesouro Direto variam de acordo com seus tipos, com o momento em que deseja adquirir o seu título, etc.

Mas você pode fazer a simulação de seu investimento diretamente no site do Tesouro Direto, CLICANDO AQUI.

Qual valor mínimo para investir

O programa Tesouro Direto foi criado exatamente para gerar mais acessibilidade, permitir que mais pessoas físicas pudessem conseguir investir em títulos públicos.

O valor mínimo para investirmos no Tesouro Direto é 0,01 (1%) do valor de uma cota, desde que esse valor seja pelo menos 30 reais.

Vai me dizer que não tem 30 reais para investir?

Como investir

Investir no Tesouro Direto é extremamente simples e prático. Em 4 passos já conseguimos adquirir um título público:

Encontre o título ideal para você

Defina qual tipo de título combina mais com você e com seus objetivos, se é prefixado, pós-fixados ou hibrido. Qual prazo mais te atende, caso você escolha híbrido ou prefixado.

Abra sua conta em uma corretora

Após ter escolhido qual título é o ideal para você, abra a sua conta em uma das instituições financeiras que têm parceria com o Tesouro Direto. Você pode verificar todas as opções CLICANDO AQUI.

Nessa etapa preste bastante atenção a qual instituição você vai escolher, quais taxas ela cobra, como é o seu atendimento, etc.

E se você ainda não sabe como escolher a melhor corretora para você ou como criar a sua conta CLIQUE AQUI para conferir um outro post que eu fiz exatamente sobre isso.

Transfira o dinheiro

Deposite ou transfira o dinheiro que você deseja investir para a Instituição Financeira que você fez o cadastro.

Comece a investir

Já está tudo pronto! Agora é só você comprar o seu título, começar a ver o PODER DOS JUROS COMPOSTOS e deixar o seu dinheiro trabalhando para você.

Conclusão

Pronto, Pobre Mortal, agora você já sabe tudo sobre o Tesouro Direto.

Você viu como é fácil, simples e barato começar a investir? Agora não tem mais desculpas!

E ai, curtiu o conteúdo? Comenta ai sua dúvida que eu vou te responder!

Deixe uma resposta