Tesouro Nacional: entenda como emprestar dinheiro ao governo

Muitos iniciantes ficam confusos sobre vários conceitos básicos nos investimentos e as vezes fica difícil encontrar materiais na internet que expliquem de forma fácil como o Tesouro Nacional funciona.

Tesouro Direto é um programa do governo criado em 2002 para dar a possibilidade dos brasileiros comuns poderem emprestar dinheiro para o governo de forma mais fácil.

O programa do Tesouro Direto é assegurado pelo Tesouro Nacional, sendo criado em 1986.

As raízes do Tesouro Nacional são bem mais antigas, quando ainda se chamava “Thesouro Nacional” no século XVIII a qual, é um órgão público responsável por emitir e realizar a segurança do pagamento da dívida pública do governo brasileiro.

Uma questão importante à se observar é que você não consegue “investir no tesouro direto”, ele é somente o meio que disponibiliza os títulos de dívida do governo.

Sendo assim, você consegue investir somente nos títulos que o Tesouro Nacional emite e deixa disponíveis à serem negociados por meio do Tesouro Direto.

Você deve estar se perguntando o motivo do governo pedir dinheiro emprestado já que pagamos muitos impostos né?!

Pois bem, isto ocorre pois muita da verba provida dos impostos recolhidos, já tem um direcionamento dentro dos custos e gastos do Estado, assim sendo, quando um governo precisa de dinheiro para alguma emergência ou para realizar algum projeto novo que foge dos gastos já pautados pela Câmara e Senado, aumentam a dívida interna através da emissão e captação de dinheiro dos títulos de dívida.

Na prática, o governo ao precisar de dinheiro e decidir emitir dívida interna através do tesouro direto, ele assume que irá pagar ao seu credor (pessoas que emprestam dinheiro à ele), com uma rentabilidade ligada à inflação, juros ou um valor predeterminado, este dinheiro emprestado é assegurado pela reserva monetária do Tesouro Nacional que acaba recebendo parte do dinheiro através do Banco Central.

Os tipos de Títulos disponíveis pelo governo são:

Deixe uma resposta